piloto_floresta_urbana.jpg

Home Saúde Educação e Saúde se unem para combate ao Aedes aegypti
Educação e Saúde se unem para combate ao Aedes aegypti PDF Imprimir E-mail
Ter, 07 de Maio de 2019 07:57

Passeata Dengue 1

Patrícia Cavalini

A escola municipal Adelino Honorato Bertolo, a Estratégia Saúde da Família Carlos Palma e o Serviço de Controle de Endemias de Santa Adélia (Sercesa) se uniram para uma grande ação de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

A ação começou com os alunos da Adelino H. Bertolo confeccionando cartazes sobre o tema, como a prevenção e a importância da limpeza de quintais, durante as aulas de Ciências. Depois, no dia 29 de abril, todos se reuniram para uma passeata pelas ruas próximas a escola, com orientação a população e distribuição de panfletos. Ao todo, mais de 300 pessoas participaram da ação.

"Realizamos a orientação, contudo, para que a ação se efetive, precisamos da participação e colaboração da população para que limpem seus terrenos, quintais, mantendo as caixas d'água bem fechadas, não deixando acumular água em recipientes, vasos de plantas, garrafas, calhas, pneus e outros objetos", disseram os responsáveis pela campanha.

Segundo o Sercesa, desde janeiro foram 210 notificações: 52 descartados; 23 confirmados; 10 notificados no município, mas que residem em outras cidades; um confirmado que foi notificado por Santa Adélia mas mora em São José do Rio Preto; o restante aguarda resultado.

"Por isso precisamos da colaboração de toda a população. Na região, várias cidades já declararam epidemia de dengue, por isso, todo cuidado ainda é pouco. Estamos intensificando a fiscalização, realizando ações, mas o apoio de todos os santa-adelienses é fundamental para que o mosquito seja eliminado", disse a coordenadora do Sercesa, Fernanda Bolognini Franco.

Notificações

Segundo a lei nº 2590 de 06 de novembro de 2007, artigo 12, "a constatação de criadouros ou focos de mosquito do gênero Aedes em imóveis, o proprietário/responsável será notificado para que elimine os objetos ou utensílios que estejam sendo foco de criação do Aedes no prazo de cinco dias. Decorrido do prazo de notificação, sem que tenha sido regularizada a situação será aplicada ao infrator, multa de R$ 195,69, que deverá ser paga no prazo de 15 dias, dobrada na reincidência".

A vistoria é feita em todas as casas do município. Quando um criadouro é encontrado, o morador é orientado para se livrar deste criadouro e como não deixar que outros lugares possam acumular água. "Depois de orientado, o morador será notificado e poderá até ser multado", informa a coordenadora.

"Todos devem ser parceiros e colaborar limpando seus quintais e os mantendo sem locais onde o mosquito possa depositar seus ovos. Essa é uma ação que deve ser feita em conjunto com população e Poder Público. Todos fazendo sua parte, Santa Adélia ficará livre do mosquito Aedes aegypti", finalizou Fernanda.

Passeata Dengue 2