piloto_floresta_urbana.jpg

BannerMunicipioVerdeAzul

Home Meio-Ambiente Mutirão do lixo eletrônico começa dia 03
Resolução conselho municipal de meio ambiente Guia de Arborização Urbana
Mutirão do lixo eletrônico começa dia 03 PDF Imprimir E-mail
Ter, 04 de Junho de 2019 08:24

 

Mutirao do Lixo Eletronico 2019

Patrícia Cavalini

A partir desta segunda-feira, dia 03, todo o município de Santa Adélia estará envolvido em mais um Mutirão do Lixo Eletrônico. Esta também é uma ação intermunicipal envolvendo Catanduva, Itajobi, Tabapuã e Pindorama.

O interlocutor do programa Município VerdeAzul, José Antônio Rigoldi, explica que de 03 a 07 de junho acontecerá a coleta. "A população poderá levar o material para os pontos de coleta que são as escolas municipais, Casa da Agricultura e Prefeitura", informa.

José Antônio também reforçou a explicação do que pode ser considerado lixo eletrônico. "Os materiais considerados lixo eletrônico são computadores, monitores, teclados, mouse, CPU, estabilizador, driver, impressora, entre outros. Há também TVs, celulares, telefones e fax, aparelhos de DVD, videocassete e som; fios, cabos, placas e circuitos eletrônicos; pilhas e baterias", explicou.

A campanha deste ano não coletará lâmpadas fluorescentes e peças da chamada linha branca, tais como fogões, geladeiras, máquinas de lavar e micro-ondas.

Risco à saúde

Chumbo, mercúrio, cádmio e arsênico são alguns dos metais pesados presentes no lixo eletrônico e que são altamente prejudiciais à saúde humana.

Quando descartados de forma incorreta, no lixo comum, que seguem para aterros sanitários, essas substâncias tóxicas são liberadas podendo contaminar o solo e atingir os lençóis freáticos, e caso a água venha a ser utilizada na irrigação, criação de gado ou mesmo no abastecimento público, o homem pode ser afetado.

A contaminação no homem pode ocorrer também pelo contato direto com os elementos químicos através da inalação ou toque.

Essas substâncias podem provocar distúrbios no sistema nervoso, problemas renais e pulmonares, câncer e outras doenças, podendo, inclusive, afetar o cérebro.

"Por isso pedimos que todos descartem o material de forma correta. Todo o material coletado terá a destinação correta, protegendo o meio ambiente e a saúde de todas", finalizou José Antônio.