piloto_floresta_urbana.jpg

Prefeito busca ajuda PDF Imprimir E-mail
Ter, 22 de Março de 2011 09:37

Prefeito busca ajuda para poços artesianos

Sta_Adelia_agua_2

Para garantir a qualidade de água fornecida à população e maior vida útil dos poços artesianos, o prefeito Marcelo Hercolin (DEM) foi buscar ajuda na Secretaria de Estado de Saneamento e Recursos Hídricos. Ao secretário Edson Giriboni Hercolin entregou uma solicitação para cobrir os gastos de encamisamento de dez dos 18 poços que servem a cidade. O investimento é de quase R$ 800 mil.

Para evitar que o pior aconteceça, Marcelo Hercolin já providenciou o serviço em dois poços da cidade. "Fizemos com recursos próprios, mas não há como fazer isso em todos os demais", pondera.

A intervenção é necessária para evitar que as laterais dos poços desabem soterrando tudo e enterrando, inclusive, a bomba que faz a sucção da água para a superfície. "Infelizmente já perdemos três poços por este problema. Como não tinha o encamisamento, uma espécie de forração das paredes do poço, houve desmoronamento e não temos como recuperar nada", informou o prefeito. Os poços soterrados ficam na Cohab, Jardim Paulista e Centro e eram os mais antigos da cidade. Além de proteger as laterais e impedir que o poço desabe, o encamisamento, feito com material especial, serve como filtro da água que sobe, o que permite mais qualidade do produto que é servido à população.

Giribone não prometeu ajuda, nem descartou atender o projeto. "O secretário foi muito compreensivo diante da nossa aflição e prometeu analisar com carinho e cuidado o nosso pedido, apesar de ter afirmado que o orçamento deste ano do governo estadual já estaria comprometido", conta o prefeito demonstrando otimismo em ter uma resposta positiva. "Acredito que a ajuda virá", concluiu.

A preocupação com o abastecimento só não é maior, por conta do novo poço recém inaugurado na cidade. Instalado no centro da cidade, o novo poço tem capacidade para extrair 40 mil litros de água por hora.

A reunião com o secretário Giribone era aguardada com ansiedade pelo prefeito Hercolin e foi graças à ajuda do empresário Ivaldo R.M. Pina, que já trabalhou com o secretário, que o encontro foi antecipado. Dele participou também o presidente da Câmara Municipal de Santa Adélia, Guilherme Colombo da Silva (DEM).

 

Economizar é fácil e você só tem a ganhar

 

Consumo de água está acima da média

Santa Adélia retira do subsolo pelo menos 3 milhões de litros de água todos os dias. Se levarmos em conta o número de habitantes informado pelo Censo 2010 do IBGE, de 14.333, cada morador consome, em média, 209 litros de água potável por dia. A Organização das Nações Unidas aponta que 80 litros por dia por pessoa são mais do que suficientes. O consumo médio no Estado é de165 litros por pessoa, segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, feito pelo Ministério das Cidades.

"Com o mundo todo voltado à questão ambiental, é importante que o santa-adeliense também se volte para este tema e preste atenção na água que consome", afirma o prefeito Marcelo Hercolin (DEM). A água que muitas pessoas jogam fora lavando calçada ou o carro, recebe tratamento especial para ser servida à população. Antes de chegar às torneiras a água recebe cloro e flúor. "Não é possível jogar fora este investimento, sem contar os custos para extrair toda essa água do subsolo", aponta o prefeito.

 

 

Os estudos e pesquisas do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento apontam para o desperdício mundial, médio, de 1.500 km³ de água, anualmente. Essa água que "jogamos fora" poderia ser consumida com mais respeito e ainda ser muito bem reaproveitada para a produção de energia ou irrigação. Nos países em desenvolvimento, o estrago é ainda maior: 80% da água potável são tratados de forma incorreta.

Para o professor da Escola Politécnica da USP- Universidade de São Paulo, Racine Araújo, o primeiro passo para preservar a água é a conscientização e a educação de crianças, jovens e adultos. "A economia de água começa em casa e nas escolas. E tudo o que se pode fazer é tão simples e exige tão pouco esforço que qualquer um pode incluir em sua rotina", garante.

Listamos, aqui, algumas ações acessíveis para você começar já!

NO BANHEIRO
1. Vasos sanitários com caixa acoplada utilizam 6 litros de água/descarga, em vez dos mais de 20 litros das válvulas de parede convencionais. Modelos mais modernos trazem, ainda, um duplo botão para três e seis litros, que podem ser acionados de acordo com a necessidade.

2. Mantenha a válvula de descarga do vaso sanitário sempre regulada e não use o vaso como lixeira ou cinzeiro;

3. A ducha gasta três vezes mais do que o chuveiro comum. Considerando a abertura total do registro e um tempo de 15 minutos, um banho de ducha consome, em média, 243 litros de água. Se o for com o registro meio aberto, a economia é de 90 litros. Com o chuveiro elétrico, o consumo seria reduzido de 153 litros para 51 litros;

4. Se desligamos a ducha enquanto nos ensaboamos e reduzirmos o tempo para cinco minutos, o consumo cai para 81 litros;

5. Se, ao escovar os dentes, enxaguarmos a boca com a água do copo, economizamos 3 litros de água;

6. Cada cinco minutos com a torneira aberta gasta em torno de 25 litros, quantidade suficiente para que uma pessoa beba a quantidade de água necessária em 12 dias. Então, feche a torneira sempre, enquanto escova os dentes, faz a barba e lava o rosto. Assim, gastará apenas 2 litros, em média, então, economizará cerca de 23 litros/dia.

NA COZINHA
7. Antes de lavar a louça, panelas e talheres, remova bem os restos de comida de todas as peças e deixe-as de molho, se necessário. Ensaboe tudo, primeiro – mantendo a torneira fechada, claro! -, para depois, então, enxaguar de uma só vez;

8. Ao deixar a torneira meio-aberta, por 15 minutos, para lavar louça, gastamos em torno de 243 litros de água. Se você instalar um arejador na torneira da cozinha, nas mesmas condições, economizamos 105 litros de água.

9. Uma lavadora de louças com capacidade para 44 utensílios e 40 talheres, gasta 40 litros. Em comparação com uma lavadora de roupas, o gasto é bem menor, mas o ideal é optar pela lavagem à mão, certo?;

NA LAVANDERIA
10. Não lave a roupa aos poucos, deixe-a acumular um pouco e lave tudo de uma vez, sempre lembrando de fechar a torneira enquanto esfrega e ensaboa as peças. Lembre-se: a torneira meio aberta por 15 minutos pode chegar a gastar 243 litros.

TORNEIRAS
11. A boa manutenção é a melhor forma de evitar desperdícios. Ao mínimo sinal de vazamentos, procure assistência rápido;

12. Troque o "courinho" da torneira com freqüência. O gotejamento lento gasta em torno de 400 litros/mês. Já o rápido gasta, em média, mil litros/mês. Sabe aquele filete de água que escorre quando não fechamos a torneira direito? Gasta cerca de 6.500 litros/mês!!;

ÁREAS EXTERNAS E CARRO
13. Evite lavar calçadas, quintais e carros com freqüência. Se for inevitável, use balde e vassoura no lugar de mangueira ou vassoura hidráulica. Esta é uma das piores invenções, que prioriza apenas o conforto: gasta quase 280 litros de água em 15 minutos!;

14. Ao molhar plantas, use o regador: o gasto é bem menor do que se você usar mangueira. Mas, se tiver um jardim grande, opte pela mangueira com esguicho-revólver: é mais econômica. Quer ver? Dez minutos com a mangueira normal, gasta cerca de 186 litros de água; já com a que tem esguicho-revólver, a economia é de 96 litros;

15. Evite lavar o carro durante a estiagem, mas, se for muito necessário, prefira
usar balde e panos, nunca a mangueira. O gasto médio com mangueira é de 560 litros/30 minutos. Com balde e pano, você gasta 40, ou seja, a economia é de 520 litros;

Fonte: Planeta Sustentável